SEJA RACIONAL E PENSE NISSO:

 

Eu pessoalmente acredito que não devemos ser fanáticos em relação à comida canina (aliás, em relação à coisa alguma) e sim usarmos o bom-senso. Portanto, pense no seguinte:

Na década de 50, os grandes laboratórios e empresas alimentícias divulgaram o conceito de que a comida ideal para os bebês era a fórmula vitaminada de leite em pó que produziam. Com suas verbas financiaram pesquisas pediátricas provando que os nenês que usavam mamadeiras com suas fórmulas, em vez de mamarem no peito de suas mães, engordavam mais. Assim também as mães não ficavam mais "presas" aos bebês, podiam retornar ao trabalho e deixar alguém (empregada, familiar, creche) preparar as mamadeiras e alimentar a criança. Pediatras no mundo inteiro, bem-intencionados e inteligentes, passaram a preconizar o uso da "alimentação científica", fruto do "progresso" da medicina pediátrica. A Nestlé e assemelhados tornaram-se empresas gigantescas. Hoje sabemos que a alimentação natural (o leite materno) é o melhor para o bebê, não só pelos beneficios imunológicos, como pelos psicológicos. O significativo ganho de peso tornou-se secundário e até, em alguns casos, prejudicial.

Agora olhe ao seu redor: em cada quadra vemos lojinhas, pet-shops e armazens vendendo ração pronta. Essas rações, sem exceção, usam justamente os produtos que sobram da produção de alimento humano e, sob um nome fantasia como empresa distribuidora, nos vendem uma gororoba hiper-cozida, esterilizada, pulverizada, carregada de humectantes, conservantes, odorizantes e colorizantes para que pensemos que estamos dando maravilhosas porções de "carne" e "cereais" e "legumes" aos nosso cães, iguais as que aparecem nas fotos das embalagens. Essa associação, fábricas de ração e empresas de alimentação humana, são a "parceria ideal" da agro-indústria. Tudo o que não é adequado para consumo humano (como cascos, bicos, pulmões, intestinos c/ seu conteúdo de fezes, partes estragadas/doentes/cancerosas, ossos, pele, cartilagem, escamas, espinhaço, restos de cereais inadequados até para salsichas) transformam-se em ração.

A ração tem mesmo algumas vantagens para o dono apenas: está pronta, não estraga e faz o animal produzir fezes quase sem odor e de consistência razoável. Mas, além de tediosa, é a comida certa e saudável para seu cão? É mais saudável do que aquela com ingredientes frescos e sem conservantes que você mesmo pode fazer? Claro que não!

Existe no mundo inteiro o início de um movimento de reconhecimento das origens de lobo de nossos cães e do sistema digestivo desenvlvido pela natureza por milhares de anos para a ingestão de carne crua, ossos, e eventualmente algum vegetal que houvesse no estômago do animal abatido. Olhe no Google! É chamado alimentação BARF: Bones (ossos) And (e) Raw (Crua) Food (comida). Traduzindo: carne crua triturada com alguns ossos crús, macios, e cartilagem (para fornecer cálcio) mais uma quantidade variável de fibras e carboidratos (cevadinha ou arroz integral cozidos) e alguns legumes ralados (cenoura, beterraba, etc) e/ou folhas e/ou frutas raladas.

E assim como tem fanáticos iludidos e equivocados, que só dão ração aos seus cães, também existe uma legião crescente de fanáticos que só dão alimentação BARF porque acreditam que é mais saudável e adequada.

Eu diria que a virtude está no bom senso: comida fresca preparada em casa (com carne magra escolhida (músculos, coração, fígado), ossos e cartilagens triturados, frutas e legumes frescos, etc) pode ser ideal mas nem sempre é possível fazê-la de modo regular. E as fezes que esse alimento produz tem mais odor.

Por isso, acho que cada um de nós, conhecendo seu cão e querendo conciliar o que é melhor para ele, assim como a quantidade de tempo e trabalho que estamos dispostos a dedicar a esse aspecto do cotidiano, pode ajustar o meio termo que melhor lhe/nos pareça. Pode ser produzir uma vez por semana e congelar porções individuais da mistura BARF p/ melhorar a qualidade e o gosto da ração; pode ser adicionar a porção de BARF com restos da nossa refeição que sejam adequados (proteínas da carne, derivados do leite, e uma porção fresca da mesma salada que servimos na mesa), coisas assim. Você usa seu bom-senso (e seu respeito e afeto pelo animal) e seu cão lhe agradece.

       

PS- Confissão escandalosa mas 100% verdadeira: minha cachorra de 11 anos, Ana, sempre comeu chocolates, biscoitos e outras coisas supostamente perigosas ou proibidas. ELA NÃO TEM NENHUMA CÁRIE, NEM TÁRTARO, NEM MAU-HÁLITO. Roeu ossos diariamente toda sua vida, o que manteve suas gengivas e dentes limpos e saudáveis. Isso tampouco lhe deu diarréias, vômitos ou dor-de-barriga. Eu como massa de bolo crua (às vezes não tenho paciência para esperar que o bolo asse...) e tampouco tenho dor de barriga. E lavo o cabelo quando estou menstruada e não enlouqueço. Pelo menos não ainda...

<<< - voltar à pg anterior (Manual de Filhotes)